quarta-feira, 26 de dezembro de 2012



Muitas pessoas só procuram o médico quando estão doentes.
Infelizmente, a maior parte das vezes, nem se sabem queixar. Não sabem dizer quais os sinais e sintomas que as doenças lhes têm dado ultimamente. E essa, é uma das grandes queixas de médicos e outros profissionais de saúde, pois é uma fase muito importante para o bom e correto diagnóstico das doenças.

Os exames médicos de rotina são uma forma de diagnosticar doenças precocemente e não devem ser dispensados de forma alguma.

Quando é feito um exame, os médicos e profissionais de saúde lamentam muitas vezes o fato de a doença ter atingido um estado tão avançado que por vezes inviabiliza a cura.

Em muitos casos, com a ajuda dos modernos testes de diagnóstico poderia-se ter detectado a doença meses ou até anos antes do aparecimento de sintomas ou de quaisquer outras alterações.
A detecção precoce de sinais de uma doença no seu estágio pré-sintomático pode permitir que o tratamento seja mais eficaz e, muitas vezes, curativo. Este processo de diagnóstico precoce é também chamado de rastreio.


Nos últimos anos, são cada vez mais frequentes os programas de rastreio proporcionados por instituições de saúde pública, centros de saúde e clínicas a diferentes grupos etários, profissionais ou outros.

Os rastreios médicos podem ser dirigidos à população em geral ou a subgrupos de especial risco.Na sua maioria, os exames médicos de rastreio são efetuados por pessoal médico, de enfermagem ou outros profissionais de saúde, mas as pessoas podem fazer alguns tipos de exames por iniciativa própria, como o auto-exame dos testículos ou dos seios.

É graças a estes exames que se detectam precocemente as doenças e se pode realmente garantir resultados do tratamento, sendo administrados tratamentos por vezes menos agressivos e mais fáceis de executar e de administrar, bem como mais fáceis de aguentar para o doente, podendo então chegar mesmo à cura ou se ter um prolongado tempo sem sintomas.


Existem vários tipos de exames de rastreio que devem ser frequentemente executados.
Por exemplo: os recém-nascidos são examinados por um pediatra, que procura detectar várias anomalias, como lesões cardíacas e perturbações cerebrais e do sistema nervoso. É colhido sangue aos recém-nascidos para o despiste de fenilcetonúria (doença bioquímica) e hipotiroidismo (doença hormonal), que, se não forem detectados, podem causar graves doenças ainda durante a infância. Os recém-nascidos e as crianças em geral são ainda submetidos a controles regulares para se monitorizar o seu crescimento e avaliar o seu desenvolvimento físico e mental (incluindo a visão e a audição).


Em relação aos adultos, todos deverão sistematicamente controlar a tensão arterial (no mínimo, deverá ser registada anualmente ou de dois em dois anos, se os valores forem normais). A detecção de hipertensão arterial numa fase precoce poderá constituir o exame de rastreio mais valioso e, além disso, é um procedimento seguro e simples.


Também é muito importante o controle regular do peso.


Os testes de medição do colesterol são necessários para a identificação precoce dos fatores de risco das doenças cardiovasculares. Em regra, os médicos recomendam a determinação regular do colesterol no sangue (colesterol, triglicéridos e HDL) às pessoas com familiares que sofreram um ataque cardíaco, bem como às pessoas com outros fatores de risco, como uma combinação de hipertensão arterial e tabagismo, vida sedentária, obesidade, diabetes, gota, etc. Fazem-se análises ao sangue.


Para controlo e detecção de doenças cardiovasculares devem fazer-se, pelo menos, uma vez por ano (ou com a mesma frequência que se fazem análises ao sangue) um electrocardiograma, mesmo estando tudo normal. Em casos que existem problemas cardíacos na família ou alguém que tenha tido um enfarte ou um AVC, deve fazer-se, uma ou duas vezes por ano (o ideal seria de 3 em 3 meses).

Para quem tem hipertensão arterial deveria fazer uma vez por ano, além do electrocardiograma, um ecocardiograma para avaliação funcional e estrutural do coração, de modo a se verificar se hipertensão arterial e/ou a medicação para a mesma estão a causar danos no coração.


As análises de urina de rotina incluem as análises químicas para a detecção de proteínas, açúcar e corpos cetónicos e o exame microscópico para detectar glóbulos vermelhos e brancos. Os testes que se realizam num laboratório de maneira simples e económica podem detectar e medir a quantidade de diversas substâncias na urina. Por isso é importante que se realizem pelo menos uma vez por ano, de forma a se verificar se está tudo bem a nível funcional de toda a estrutura urinária e renal e poderem se detectar outras anomalias como diabetes, intoxicação alcoólica, colesterol, entre outras.


Seja em jovens, seja em adultos iniciados na vida sexual, principalmente, deveriam fazer uma vez por ano análises a doenças sexualmente transmissíveis (DST’s), especialmente ao HIV/SIDA.


Os exames periódicos dos olhos são importantes, sobretudo a partir dos 40 anos. Tanto a visão como o interior do olho devem ser examinados. Quem tiver na família casos de glaucoma deve submeter-se, a partir dos 40 anos, a exames oftalmológicos de dois em dois anos para a medição da tensão ocular.


Os exames estomatológicos são essenciais, devendo ser efectuados com uma periodicidade semestral até aos 21 anos e, a partir desta idade, anual ou bienalmente.


Os testes de rastreio do cancro são cada vez mais importantes. E dividem-se em dois grupos: os adequados à população em geral e os destinados aos grupos de alto risco.

Todos os homens deveriam aprender a examinar periodicamente os testículos. O cancro do testículo, o mais comum entre os homens com menos de 40 anos, é facilmente curável quando detectado precocemente. Também é importante a detecção precoce de cancro na próstata.

Igualmente, todas as mulheres devem aprender a examinar os seios, além de deverem fazer regularmente mamografias e ecografias mamárias a partir dos 50 anos.

As mulheres que alguma vez tiveram relações sexuais deverão fazer o exame citológico do esfregaço vaginal de três em três ou de cinco em cinco anos (ou com maior frequência, se tiverem sofrido uma infecção viral na região genital).


Depois dos 50 anos, qualquer pessoa que tenha na sua família casos de cancro no intestino deve submeter-se a uma análise anual para detecção de sangue nas fezes. Os indivíduos que trabalham em determinadas indústrias têm mais probabilidades de contrair certas formas de cancro e podem por isso beneficiar desses rastreios.

Como podem ver, é extremamente importante fazer alguns tipos de exames anualmente para se manter um corpo são, conseguirmos controlar melhor possíveis doenças que surjam e conseguirmos obter o bem estar físico do nosso organismo!